papo_delas_logo

SIGA O PAPO NOSSO CANAL /PAPODELAS
sem_filtro

Mabel e Vera: duas amigas no Caminho de Santiago

Os Caminhos de Santiago são percursos de peregrinos até Santiago de Compostela, na Espanha. Desde o século IX, a tradição conta que fieis percorriam longínquos caminhos para venerar as relíquias do apóstolo Santiago Maior, cujo suposto sepulcro se encontra na catedral de Santiago de Compostela. Nos tempos antigos, acreditava-se que só quem fazia o Caminho ganharia o perdão dos pecados. Já atualmente, a peregrinação não é feita apenas por motivos religiosos. Para os amantes de esportes e de desafios, o percurso também faz os olhos brilharem.

Para chegar até Santiago existem diversos caminhos pela Europa, como por exemplo: o caminho Português, o caminho da Prata, o caminho Inglês e um dos mais populares, o caminho Francês. Todos eles são longos, com aproximadamente 1 mês de caminhada. Uma verdadeira jornada de autoconhecimento e aprendizado, vivendo com o que cabe na mala, e assim foi para Mabel e Vera, duas amigas aventureiras que colocaram o Caminho de Santiago como meta de vida.

Elas fincaram uma promessa que aos 50 anos fariam o Caminho juntas e assim o fizeram. Suas experiências e desafios são alguns dos relatos que iremos dividir com vocês.

Vera no Caminho de Santiago (Foto: Arquivo pessoal)

Mabel nasceu na Bahia e viveu em Salvador até os 40 anos de idade, quando se mudou para os Estados Unidos, lugar onde mora até hoje. É formada em Economia e Educação Física e ama esportes e aventuras desde que nasceu.

Já Vera nasceu no sul do Brasil, mas reside na capital baiana, onde atua como empresária na área de Segurança e Saúde do trabalho e também se considera uma alma aventureira.

Os caminhos que levaram cada uma das duas amigas a percorrerem até Santiago foram diferentes. Mabel sempre foi adepta à esportes radicais como motocross e rappel, e desde os 17 anos faz trilhas. Ao chegar nos Estados Unidos, não tinha mais a mesma liberdade para praticar esse tipo de esporte, então, escolheu o desafio do Caminho de Santiago. “Meu sonho era fazer o do Himalaia, mas infelizmente ainda não tive chance”, conta ela.

Vera, por sua vez, sempre teve uma inquietude, uma necessidade de constante movimento, um desejo de explorar o mundo. Em 2010, após um período de grande reflexão, o sonho ultrapassou a barreira da alma e ela decidiu fazer o Caminho de Santiago para buscar autoconhecimento. Elas escolheram percorrer pelo caminho francês. Vera, por ser o mais tradicional e Mabel pela complexidade de execução.

Vera ao longo de um dos seus trajetos a Compostela. (Foto: Arquivo pessoal)

Como muitos sabem o Caminho de Santiago não é um desafio fácil. É uma verdadeira maratona e exige muito do nosso corpo, na maioria dos casos, é necessária uma forte preparação para encará-la. Vera fazia treinos quase diários, subindo e descendo ladeiras no calor baiano. Além disso, buscou ajuda junto a Associação Baiana de Peregrinos e reiniciou os estudos de língua espanhola.

Foto: Arquivo pessoal

Mabel conta que não precisou de muita preparação, uma vez acostumada a pratica de esportes radicais, porém não deixou de sofrer percalços no Caminho. O mais marcante da experiência para ela foi à superação do seu limite físico e emocional. “Me perdi sozinha e parei num campo militar. Desmaiei porque estava desidratada. Caí, fraturei e cortei meu polegar na montanha e fiquei sem assistência médica por uma semana. Quebrei a cabeça e improvisei um curativo para parar de sangrar até achar socorro, mas tudo isso foi compensado ao receber a ajuda dos meus amigos peregrinos”, disse.

Mabel após um dos acidentes sofridos durante o Caminho. (Foto: Arquivo pessoal)

Com incríveis 36 dias de percurso e 10 horas diárias de caminhada, Mabel teve uma perda de peso absurda. Vera diz que mesmo que se coma um boi por dia, o emagrecimento é muito grande e as mudanças físicas são surpreendentes. “O corpo se adapta às adversidades do tempo e da carga extra”, relata. A dificuldade para dormir e os longos quilômetros por lugares entediantes, no calor, no frio, na chuva e na neve também foram fatores destacados por elas sobre a peregrinação. Segundo Vera, o mais difícil no Caminho é não desistir.

Foto: Arquivo pessoal

Sobre as mudanças internas, após a experiência, as duas amigas contam que aprenderam a dar mais valor as coisas. “Como os meus processos interiores e emocionais demoram muito, tive que percorrer sete caminhos para poder pedir o divórcio”, brinca Vera. Ela descobriu também que poderia viver muito mais feliz com menos e foi ganhando mais autoconfiança e autoestima à medida que foi vencendo os quilômetros.

Externamente, a solidariedade e felicidade das pessoas foi o que mais chamou a atenção de Mabel no Caminho. Já para Vera, a busca das pessoas pelas coisas simples da vida e a solidão interior de cada um no percurso foi o que mais a marcou.

Por fim, as duas consideram que o maior aprendizado da peregrinação é ter gratidão por tudo, ter sempre muita positividade, e claro, coragem, pois cada dia é uma nova surpresa.

Mabel e as amizades que fez durante o Caminho de Santiago (Foto: Arquivo pessoal)

Insira suas palavras-chave de pesquisa e pressione Enter.