papo_delas_logo

SIGA O PAPO NOSSO CANAL /PAPODELAS
sem_filtro

Modelo plus size Fluvia Lacerda questiona: “Por que deveria estar em guerra com meu corpo?

Relato nas redes sociais da modelo rendeu comentários e elogios

Modelo plus size brasileira com maior destaque no Exterior, Fluvia Lacerda usa seu perfil no Instagram para compartilhar mensagens que visam ajudar outras mulheres a deixar de lado os problemas com a autoimagem. Na sexta-feira, a top falou como as mudanças em seu corpo – como as estrias na gestação – jamais a afetaram, mesmo que fossem malvistas pela sociedade.

Sempre fui naturalmente desconectada dessas negatividades impostas com relação à nossa aparência física. Sempre questionei muito de onde isso vinha, quem estaria lucrando com a possibilidade de me transformar em alguém inseguro e infeliz. No fim, na minha cabeça, essas negatividades dissipavam. A chegada de mais estrias e celulites após minha primeira gestação não mudaram esse raciocínio.

Fluvia explica que costuma postar fotos de biquíni justamente por apreciá-lo com “todas as suas particularidades”.

Gorda ou magra, cintura fina ou não, estrias e celulites ou não, baixa, alta, quadris largos ou o não, seja como for, sonho com um mundo onde apenas seremos.

Veja o texto completo:

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Durante minha primeira gestação adquiri muitas estrias. Muitas mesmo. Minha pele ficou com texturas e tons estranhos. Mas honestamente estaria mentindo se dissesse que isso afetou de forma negativa minha auto estima. Sempre fui naturalmente desconectada dessas negatividades impostas com relação à nossa aparência física. Sempre questionei muito de onde isso vinha, quem estaria lucrando com a possibilidade de me transformar em alguém inseguro e infeliz. No fim, na minha cabeça, essas negatividades dissipavam. A chegada de mais estrias e celulites após minha primeira gestação não mudaram esse raciocínio. Não deixei de usar bikini por isso, muito menos de me sentir sexy, forte, poderosa ou menos que ninguém. Quando assisto pessoas submersas no auto flagelo quanto a sua aparência, percebo que apesar de conhecer outras mulheres como eu, que nunca ligaram ou se deixaram afetar por essas coisas, a grande maioria não se sente assim. Pode parecer um raciocínio lógico, mas me levou muito tempo pra entender isso. Na minha cabeça a questão não era: quando vc fez as pazes com seu corpo? E sim: por que eu deveria estar em guerra com ele? A válida questão era: pq entregar nas mãos de terceiros o poder de nos afetar ou não com suas críticas destrutivas ou seus julgamentos infelizes? Por toda minha vida naveguei nesses questionamentos. Posto imagens como essa por entender o valor e importância do meu corpo, como ele é, e por aprecia-lo com todas as suas particularidades. Gorda ou magra, cintura fina ou não, estrias e celulites ou não, baixa, alta, quadris largos ou o não, seja como for, sonho com um mundo onde apenas seremos. Um mundo onde toda essa minha explanação seria sem sentido pq a necessidade de subir no palco e reiterar que precisamos nos libertar e nos amar, pq já passou da hora, pq merecemos, pq é o certo, justo a ser feito, seria simplesmente desnecessária. Sonho com esse mundo todos os dias. Nesse mundo, que vc pode até chamar de utópico, apenas seremos FELIZES EM SER QUEM SOMOS e isso jamais será questionado por outros ou mais importante, por nós mesmos.

Uma publicação compartilhada por Fluvia Lacerda (@fluvialacerda) em

Fonte: Donna 

Insira suas palavras-chave de pesquisa e pressione Enter.